Só 11% dos brasileiros acham governo Temer melhor do que o de Dilma, diz CNI-Ibope

Pesquisa realizada entre os dias 13 e 16 mostra que 52% dos brasileiros consideram gestão do atual presidente pior do que a da petista. Para 65%, restante do mandato será ruim ou péssimo

a53de91c-df76-4626-a248-d88d02b2b0fa

Segundo pesquisa CNI/Ibope, 87% dos entrevistados não confiam em Temer (Beto Barata/PR)

RBA

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou na manhã desta quinta-feira (27)  pesquisa feito em parceria com o Ibope sobre o governo federal e o presidente Michel Temer. O percentual dos que avaliam o governo como ruim ou péssimo subiu de 55% (em março) para 70%. Segundo o levantamento, 87% não confiam em Temer e 65% dizem que o restante do mandato do atual presidente será ruim ou péssimo.

Apenas 11% acham que o governo Temer é, hoje, melhor do que o governo Dilma, enquanto para mais da metade dos entrevistados, 52%, ele é pior do que a gestão da petista.

Segundo o levantamento, 64% dos brasileiros consideram que as notícias que têm sido veiculadas são desfavoráveis ao governo e as informações veiculadas pela mídia mais lembradas pela população são as que se referem a questões como corrupção no governo, reforma trabalhista e operação Lava Jato.

A pesquisa diz que, na região Nordeste, somente 4% avaliam o governo como bom ou ótimo, mesmo percentual das regiões Norte e Centro-Oeste. A aprovação é ligeiramente melhor nas regiões Sudeste (6%) e Sul (8%).

Em relação à sondagem realizada em março, a aprovação de Temer recuou de 10% para 5% em julho. A popularidade do presidente caiu a seu pior nível, segundo a pesquisa. A aprovação de Temer é a pior de toda a série histórica, superando a mais baixa, do fim do governo José Sarney, que chegou a 7% de ótimo e bom em julho de 1989. A mais baixa aprovação de Dilma Rousseff, no fim do processo de impeachment, foi de 9%.

A aprovação é maior entre os entrevistados na faixa de renda mais alta. Os moradores das capitais avaliam o governo como sendo pior do que os brasileiros que moram no interior.

Desde junho de 2016, quando foi realizada a primeira pesquisa da série já com Temer como presidente, a popularidade vem caindo, chegando agora ao mais baixo nível de aprovação. O número dos que desaprovam a maneira de governar é de 83%. Os que não confiam no presidente chegam a 87%, contra 10% que confiam.

Em todas as áreas de atuação a avaliação piorou “de maneira significativa”, disse o gerente-executivo de Pesquisa e Competitividade da CNI, Renato da Fonseca. A pior é a da área de impostos: 87% dos entrevistados desaprovam a política tributária. Fonseca ressaltou em entrevista coletiva que a pesquisa foi feita antes do aumento de PIS e Confins sobre os combustíveis. Outras áreas com avaliação muito negativa são as de saúde (85%) e juros (84%).

Corrupção e crise econômica

Quanto ao impacto da corrupção, Fonseca disse que “certamente a questão do caso JBS foi um dos fatores que determinaram a piora na popularidade”. Ele citou também as questões econômica e do desemprego. “Continua muito elevado no país. Isso afeta”, acrescentou. “Mesmo que a inflação esteja reduzindo, quando a população vai ao supermercado, inflação reduzindo não significa que os preços estejam reduzindo, significa que esteja crescendo menos.”

Nesse contexto, ele apontou a “dificuldade de aumento salarial” como fator importante. “Existe num peso muito forte da crise econômica nessa avaliação (do governo Temer), que sempre se transfere para o governo.”

O levantamento ouviu 2.000 pessoas em 125 municípios entre os dias 13 e 16.

Deixe o seu comentário