EUA e as armas: estudantes mostram o caminho a seguir

Estudantes lutam pela supressão das armas nas escolas

Estudantes lutam pela supressão das armas nas escolas

IELA

Nikolas Cruz sabia como lidar com uma arma graças à Associação Nacional de Rifles e ao Exército dos Estados Unidos. O acusado de causar o massacre do Dia dos Namorados, que teve lugar na escola secundária  Marjory Stoneman Douglas, localizada em Parkland, Flórida, matou 17 pessoas em três minutos, todos com um rifle semiautomático AR-15. Cruz frequentou parte de seus estudos naquela escola, mas teve que mudar para outra por causa de seu comportamento violento. Quando foi preso, usava a camisa oficial da divisão júnior do Corpo de Treinamento de Oficiais da Reserva (JROTC), um programa das Forças Armadas dos EUA junto às escolas.

Nas escolas e universidades das quais foi membro enquanto estava no ensino médio, Cruz também fazia parte do clube de atiradores, que conta com o apoio financeiro da Fundação da Associação Nacional do Rifle (NRA) e se tornou um dos quatro membros do time de tiro da escola.

O Pentágono está sistematicamente presente nas escolas públicas, recrutando estudantes para o exército. Além disso, é a Associação Nacional de Rifle que coloca as armas nas mãos de crianças.

Na Flórida, a idade mínima legal para comprar um rifle semiautomático é de 18 anos. Nikolas Cruz tinha 19 anos e adquiriu legalmente a arma com a qual agora é acusado de ter cometido este terrível massacre. Através de suas publicações em redes sociais e histórias de pessoas que o conhecem, revelou-se que ele tinha um profundo amor por armas de fogo e outros tipos de armas. “Ele tinha muito boa pontaria”, disse um ex-parceiro da equipe de atiradores, Aaron Diener, à Associated Press.

Pat Elder é o diretor da coalisão nacional para proteger a privacidade dos estudantes, uma organização que rejeita o militarismo nas escolas. Ele também é o autor do livro “Recrutamento militar nos Estados Unidos”. Em uma entrevista para Democracy Now !, o ativista disse: “Nós temos o Exército dos EUA e os outros três ramos das Forças Armadas metidos nas escolas secundárias, colocando armas letais nas mãos de jovens de 13 e 14 anos de idade. É hora de terminar isso. Mais de 575 mil crianças participam do programa em todo o país “.

Pat Elder se opõe ao militarismo americano desde que era adolescente. No início dos anos 70, participou dos protestos contra o bombardeio dos Estados Unidos ao Camboja. Ele considera invasiva e insidiosa a presença do exército dos EUA no sistema escolar público, que começa com a construção de competências militares com peças Lego já na terceira série. Nas escolas secundárias substituem o Lego por armas de fogo reais.

Ainda conforme Elder: “O programa júnior do corpo de treinamento para oficiais de reserva é um programa de recrutamento militar envolvendo mais de 3.000 escolas. Destas, mais de 1.600 participam de programas de tiro em todo o país. Assim que temos campo de tiros em escolas secundárias em todos os estados. Eles disparam rifles de calibre 177, que funcionam por meio de dióxido de carbono. O projétil principal se move a 180 metros por segundo. Em comparação, a munição de um rifle de calibre 22 tem uma velocidade entre 240 e 270 metros por segundo … [O rifle de calibre 177] é uma arma letal, assim classificada pelo exército “.

A Associação Nacional do Rifle, através de sua base presumivelmente caritativa, doa fundos para escolas destinados a colocar armas nas mãos de crianças, coisa da qual se orgulha em seu site: “Desde a nossa criação em 1990, temos concedido quase 335 milhões de dólares em subvenção “. A NRA admite, e Pat Elder confirma, que a maioria dos seus subsídios são sob a forma de “suprimentos ou equipamentos para o programa”; isto é, armas e munições.

O programa de tiro da Escola Marjory Stoneman Douglas tuitou há 17 meses: “A Equipe de Tiro da Divisão Junior do Corpo de Treinamento da Reserva agradece à NRA por sua generosa doação de quase US $ 10.000 para atualizar e substituir o equipamento. “

A escola secundária Marjory Stoneman Douglas, em Parkland, leva o nome da famosa escritora e ativista americana que morreu em 1998 aos 108 anos. Stoneman Douglas era uma dos principais sufragistas do país. Ela lutou pelo voto das mulheres e pelos direitos civis e também era ecologista. Conhecida como a “grande dama dos Everglades” por sua liderança na proteção das vastas zonas úmidas da Flórida, ela lutou contra os interesses comerciais e contra o desenvolvimento imobiliário. É profundamente emocionante que, entre os adolescentes que sofreram o horrível tiroteio em massa, estejam emergindo alguns dos ativistas mais apaixonados, eloquentes e efetivos do momento. Eles estão enfrentando um dos grupos de interesse mais entrincheirados do país: o lobby das armas de fogo.

Dias após o massacre, em uma manifestação a favor do controle de armas em Fort Lauderdale, Emma Gonzalez, uma estudante do último ano da Stoneman Douglas, dirigiu-se à multidão. Suas palavras tornaram-se virais: “Se tudo que pode fazer o governo e o presidente é dedicar pensamentos e orações, então é hora de as vítimas serem a mudança que precisamos ver … Se o presidente quiser vir e me dizer pessoalmente que isso foi uma terrível tragédia, e que nunca deveria ter acontecido, em vez de dizer que não se fará nada a respeito, com prazer lhe perguntaria quanto dinheiro ele recebeu da da Associação Nacional do Rifle. Mas, você sabe o quê? Não é necessário, porque já conheço a resposta: 30 milhões de dólares! “.

Na semana passada, mais de uma centena de alunos da Stoneman Douglas viajaram para o Capitólio do Estado da Flórida, em Tallahassee, para exigir a proibição de armas automáticas em nível estadual. Mas, enquanto os jovens chegavam ao Capitólio, os legisladores votavam, por maioria, contra o debate sobre a proibição. Sem sentirem-se desencorajados, os alunos continuam lutando. Eles organizarão uma marcha na capital dos Estados Unidos e em cidades de todo o país no dia 24 de março, uma marcha que decidiram chamar de “Marcha para nossas vidas”.

Deixe o seu comentário